RMSF | TCR

Autor: Bruna Lorrany Bartolomei de Souza

Título: Necessidades e desafios do cuidar familiar de pacientes dependetes/acamados.

SOUZA, B. L. B. Necessidades e desafios do cuidador familiar de pacientes dependentes/acamados. 60p. Trabalho de Conclusão de Residência – Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família SESAU/FIOCRUZ. Campo Grande/MS, 2022.

As famílias, no decorrer da vida, podem experienciar dentro do seu núcleo familiar a presença da doença de um dos seus membros e a necessidade de tornar-se cuidador do familiar. O papel de cuidador de um familiar dependente tem se tornado muito comum em várias famílias. Evidencia-se um crescimento significativo no número de brasileiros que passaram a cuidar de seus familiares idosos, com estimativa de 3,7 milhões em 2016 para a progressão de 5,1 milhões em 2019. OBJETIVOS: Investigar as necessidades e desafios do cuidador familiar de pacientes acamados/dependentes localizados na área de abrangência de USF de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. MÉTODO: Estudo qualitativo, descritivo e exploratório por meio da aplicação de questionário estruturado com dados sociodemográficos e posterior gravação de relatos de cuidadores que vivenciam o processo de cuidar de um familiar dependente. As gravações foram transcritas e analisadas usando como referencial científico a Análise de Conteúdo de Bardin. RESULTADOS: Pesquisa realizada com 7 cuidadores, com a predominância do sexo feminino 6 (85%), sendo a maior parte mães (42%) e filhos(a) (42%) do paciente cuidado, brancos (a) (57%), com média de idade de 61 anos, ensino fundamental incompleto (57%), divorciados (a) (42%) ou viúvos (42%), desempregados, realizando trabalho informal para complemento da renda e/ou aposentados (85%), com renda familiar de 1 a 2 salários mínimos, tempo de exercício do papel de cuidador variando de 2 a 18 anos, com média de 8 anos. Entre os problemas de saúde/comorbidades, mais citados, destacou-se a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) (57%). Os discursos evidenciaram a ausência de rede de apoio familiar na divisão do cuidado, a contribuição da rede de apoio do setor saúde e instituições religiosas, a escassez de recursos econômicos e materiais, desgaste físico e mental, afastamento do convívio social e abandono de projetos de vida, bem como crença da predestinação do cuidado. CONCLUSÃO: O estudo contribui para a visibilidade dos cuidadores familiares e a ampliação da visão dos profissionais de saúde sobre a vivência do ser cuidador, seu papel, desafios e necessidades, a fim de suporte para a criação de políticas públicas, projetos terapêuticos e estratégias de enfrentamento às dificuldades relacionadas ao cuidar.

Palavras-chave: Cuidador familiar. Paciente dependente. Saúde da Família.