RMSF | TCR

Autor: Dayane Cristina Ferreira Marques

Título: Acompanhamento das gestantes indígenas: uma análise de registro dos prontuários da unidade de saúde da família no bairro vida nova.

MARQUES, Dayane Cristina Ferreira. Acompanhamento das gestantes indígenas: uma análise de registro dos prontuários da unidade de saúde da família no bairro vida nova. 2022. 38 f. Trabalho de Conclusão de Residência – Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família SESAU/FIOCRUZ. Campo Grande/MS, 2022.

A atenção ao pré-natal das gestantes indígenas permite a detecção e prevenção de intercorrências e possíveis danos à mãe e ao feto. Esse cuidado a saúde da gestante indígena deve compreender a aproximação entre os modelos biomédico e indígena para troca de saberes. Objetivos: Analisar o registro do acompanhamento de gestantes indígenas pertencentes à Unidade de Saúde da Família (USF) Vida Nova, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Métodos: trata-se de um estudo com base documental e abordagem quantitativa descritiva, com análise dos registros de prontuários de 49 mulheres indígenas gestantes vinculadas a USF Vida Nova em Campo Grande-MS. Os dados foram coletados no período de dezembro de 2021 a janeiro de 2022, por meio de instrumento próprio do tipo checklist. Critérios de inclusão: auto reconhecimento como indígena da mulher gestante. Resultados: A análise evidenciou que a média de idade foi de 26 anos, variando de 13 a 43 anos. A maioria era da etnia Terena (66%), revela ainda que a maioria iniciou o pré-natal em 2020 (60%), Em relação ao primeiro trimestre a captação precoce foi de (78%) das gestantes para realização do pré-natal em até 120 dias de gestação, consultas realizadas mensalmente até a 28ª semana ocorreu em (30%) dos casos. Discussão: De acordo o Primeiro Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Povos Indígenas, no que concerne a idade gestacional em que o pré-natal foi iniciado uma em cada três gestantes passaram por consulta no primeiro trimestre e 60% tiveram até cinco consultas durante o pré-natal. O percentual foi de 33% a nível nacional e a região Centro-oeste ficou na casa dos 34,9%. Conclusão: Concluiu-se que o adequado preenchimento do prontuário com informações precisas e sem incorrer em omissão de informações, viabiliza o exercício da coordenação do cuidado.

Palavras-chave: Gestantes Indígenas 2. Prontuários 3. Pré-natal